,!--BING Your SEO optimized title-->
Como Instalar a Cadeirinha de Bebê

Como Instalar a Cadeirinha de Bebê

Dirigir com responsabilidade é o mesmo que dizer que todo motorista é responsável em transportar cada um de seus passageiros, principalmente quando o assunto envolve as crianças, então, nada melhor que reforçar alguns pontos importantes, por isso, é bom que saiba usar a Cadeirinha para Transporte das crianças corretamente, senão a criança pode se machucar ou até mesmo morrer, se acontecer um acidente. E ainda gera multa, duas coisas que você quer evitar a qualquer custo.

Desde 2010 o uso da cadeirinha para transporte das crianças deixou de ser uma simples opção de conforto para acomodar os filhos, passando ser obrigatório, e o tipo de assento de segurança, ou seja, a cadeirinha pode variar de modelo conforme a idade da criança, conforme mostrado no quadro abaixo:

  • O bebê conforto, é o tipo ideal para o transporte das crianças que tem até 1 ano de idade;
  • As cadeirinhas são as indicadas para o transporte das crianças entre 1 e 4 anos;
  • Os chamados assentos de elevação, devem ser utilizados para transporte das crianças que tem a idade de 4 até 7,5 anos;

A partir dos 7,5 até os 10 anos de idade, as crianças podem ser transportadas sentadas somente no banco traseiro e sempre atreladas ao cinto de segurança.

É bom esclarecer que as crianças nessa faixa de idade podem ser transportadas no banco da frente somente em casos que o modelo do carro tenha apenas 1 banco, ou, em ocasiões onde o banco traseiro já estiver com a lotação completa com outras crianças, conforme estabelecido em resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Saiba como deve ficar a posição da cadeirinha para transporte das crianças

Bebê conforto

  • A partir do nascimento até 1 ano de idade, a criança deve ser transportada no bebê conforto, sempre apoiando o corpo para que não se mexa demais, principalmente o pescoço;
  • Deve ser instalado no sentido inverso da posição normal do banco do veículo, assim, evita trancos em caso de freadas ou acidentes;

Cadeirinha

  • As crianças de 1 ano até 4 anos de idade devem usar transportadas na cadeira de segurança que deve ficar sempre no banco de trás, voltada para frente, na posição vertical;
  • Claro que a cadeirinha para transporte das crianças, precisa estar fixada ao banco para que esta não saia do lugar;
  • A cadeirinha possui tiras almofadadas que devem ser ajustadas ao corpo da criança com uma folga de um dedo, assim, as crianças ficam confortáveis e tranquilas;

Assento de elevação

  • Já no caso das crianças com idade acima de 4 anos, devem utilizar somente o assento de elevação preso ao banco traseiro, que vai permitir que fique com altura suficiente para usar o cinto de segurança de três pontos.

Todos os acessórios utilizados como cadeirinha para transporte das crianças, seja do recém-nascido até a idade de 7,5 anos, devem ser utilizados somente quando tiver o selo do (Inmetro), Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, pois é, este selo que confere qualidade e segurança aos produtos.

E nas motos, as crianças podem ser transportadas também?

Levar crianças que tenham menos de 7 anos de idade em motocicletas, é uma infração gravíssima, com penalidade de multa de R$ 191,54, 7 pontos na carteira, e até suspensão do direito de dirigir, além de recolhimento do documento de habilitação, já que nesta idade as crianças não tem condições de cuidar de sua própria segurança.

Quando as crianças alcançam a idade acima de 7 anos, podem ser transportadas em motocicletas desde que seja observado pelos pais ou responsáveis, que esta use capacete, acessórios e roupas adequadas ao seu tamanho, a fim de prevenir lesões mais graves nos casos de quedas, mas, também é preciso que tenham altura suficiente para manter os pés apoiados na pedaleira, e consigam manter-se agarradas ao piloto!

 

 

Nota
Imagens meramente ilustrativas.
Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade da Hulk Equipamentos Automotivos Ltda ou do criador original do material, estas imagens foram coletadas de diversas fontes públicas, incluindo sites diferentes, considerando a possibilidade de estar em domínio público. Se alguém tiver qualquer objecção à exibição de qualquer imagem ou notícias, deve trazer ao nosso conhecimento através do e-mail (contato). O mesmo será removido imediatamente, após verificação do crédito. Todas as Marcas e nomes pertencem aos seus proprietários. Outros nomes e marcas podem ser de propriedade de outras empresas.
Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas nos nossos sites que tem por objetivo a divulgação de informação, diversão e educação dos interessados. Medidas tomadas pelos usuários são de sua inteira responsabilidade. Reiteramos que orientamos sempre a consultar e seguir as instruções presentes no manual do proprietário do seu veículo.

Antes de comprar um carro, descubra se você tem condições para mantê-lo

Antes de comprar um carro, descubra se você tem condições para mantê-lo

Sonho de consumo de muitas pessoas, o carro é comumente associado à liberdade e a autonomia. Muita gente fala que é como ter um filho, algo que não se pode comparar em relação ao carinho, mas sim em relação às despesas. Portanto, antes de comprar, é muito importante considerar o custo de manter um veículo.

Muitos dos que ainda não têm, pensam apenas na prestação a ser paga, enquanto muitos dos que já têm, pensam que o gasto se resume ao combustível, mas é aí que estão as armadilhas. É preciso ter consciência sobre as diversas despesas envolvidas. As básicas são: prestações, seguro, combustível, manutenção, IPVA, licenciamento, lavagens e até mesmo possíveis multas.

 

 

Quem já possui um carro quitado, só deve tirar dessa lista as prestações. Mesmo assim, verá que a despesa total chegará, em média, a 2% do valor do carro. Dessa forma, a manutenção de um veículo de 20 mil reais, por exemplo, tem um custo de aproximadamente 400 reais mensais.

Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), destaca que muitas pessoas mantêm um carro apenas por status, e o resultado é o endividamento ou a necessidade de devolver esse bem. Há também as famílias que possuem mais de um carro e deixam um deles parado na garagem, sem perceber que estão perdendo dinheiro. Já outras o trocam pelo transporte público ou por Táxi e obtém grande economia, sem piorar sua qualidade de vida.

 

Será que tenho condições financeiras?

Para saber se esse é realmente o momento certo de comprometer a sua renda com essa compra, Reinaldo afirma que é preciso saber, primeiro, em qual situação financeira você se encontra: endividado, equilibrado financeiramente ou poupador. Os que se encaixam na primeira situação devem evitar ao máximo comprar um veículo, pois o importante, nesse momento, é quitar as dívidas. Contudo, se possuir um carro for uma vontade grande, ele deve entrar na lista dos sonhos – a ser adquirido no médio ou longo prazo.

 

As pessoas equilibradas financeiramente, por sua vez, apesar de estarem em uma posição mais confortável, ainda precisam estar atentas. Basta um descuido e elas passam para a lista dos endividados, minando todas as chances de realizar seus sonhos, sejam eles de curto, médio ou longo prazo.

O consumidor equilibrado deve avaliar se a aquisição de um novo veículo já estava no planejamento. Se sim, é hora de pesquisar com calma e paciência todas as opções de carro que agradam, avaliando pontos fortes e fracos. De qualquer forma, é essencial refletir sobre a real necessidade da compra e analisar as finanças.

Caso a pessoa já possua um veículo, deve avaliar as vantagens e desvantagens de ter outro, até porque, adquirir um automóvel não é investimento – já que, logo que sai da concessionária, o carro sofre, em média, 10% de desvalorização.

 

Fonte www.msn.com

 

 

Nota
Imagens meramente ilustrativas.
Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade da Hulk Equipamentos Automotivos Ltda ou do criador original do material, estas imagens foram coletadas de diversas fontes públicas, incluindo sites diferentes, considerando a possibilidade de estar em domínio público. Se alguém tiver qualquer objecção à exibição de qualquer imagem ou notícias, deve trazer ao nosso conhecimento através do e-mail (contato). O mesmo será removido imediatamente, após verificação do crédito. Todas as Marcas e nomes pertencem aos seus proprietários. Outros nomes e marcas podem ser de propriedade de outras empresas.
Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas nos nossos sites que tem por objetivo a divulgação de informação, diversão e educação dos interessados. Medidas tomadas pelos usuários são de sua inteira responsabilidade. Reiteramos que orientamos sempre a consultar e seguir as instruções presentes no manual do proprietário do seu veículo.

Cintos de Segurança Infláveis

Cintos de Segurança Infláveis

Os cintos de segurança são capazes de prevenir lesões que podem acontecer principalmente no pescoço, ou coluna, pois é responsável em evitar o tranco causado pela freada brusca, por isso, são de uso obrigatório por todos os ocupantes de um veículo, inclusive, para aqueles que sentam no banco de trás.

O interessante é que a partir de agora, tornam-se mais seguros ainda, já que alguns carros estão saindo de fábrica com cintos de segurança infláveis, novidade que foi desenvolvida e patenteada pela Ford a qual conseguiu aliar air bags a cada cinto de segurança dos passageiros no banco de trás. Conforme explicações da montadora, os cintos de segurança foram aperfeiçoados pensando justamente nos passageiros que sentam na parte de trás do veículo, visto que durante um acidente, e até em freadas inesperadas, é comum que ocorra um deslocamento lateral, principalmente em caso de colisões.

De acordo com estudos todos os passageiros sentados na parte traseira, mesmo que estejam atrelados aos cintos de segurança, e embora o veículo seja dotado também de air bags traseiros, isto, não significa que os ocupantes sairão ilesos em casos de acidentes, por isso, a Ford, viu a necessidade de colocar air bags em cada cinto.

Na verdade, o 1 º carro que foi fabricado com os cintos de segurança infláveis, foi o Explorer no ano de 2011, vendido nos Estados Unidos, e provavelmente outro carro que pode ser adquirido futuramente com esse item a mais de segurança, será o Fusion, mas, por enquanto também vendido apenas nos Estados Unidos!

Os motoristas que tem carros com air bags, apenas no banco da frente, podem ficar tranquilos pois, cumprem o prometido que é a proteção para o motorista e também para o carona, e como as montadoras sempre estão se empenhando em oferecer maior conforto e segurança para os ocupantes, os cintos de segurança infláveis, em pouco tempo, podem ser um item a mais independente do valor do veículo!

No Brasil um dos únicos carros que vem com cintos de segurança infláveis, é o Classe S, o sedan da montadora Mercedes-Benz, o qual é vendido como item de série em todas as versões do modelo.

Segurança também para motociclistas

O bom dos cintos de segurança infláveis que vem sendo desenvolvidos, é que podem também amortecer quedas as vezes inevitáveis dos motociclistas, por isso, um sistema parecido vem sendo aplicado a coletes os quais têm bolsas infláveis embutidas, sendo que na maioria de acidentes onde era usado um colete como esse, o motociclista teve apenas lesões leves.

O curioso é que essas bolsas infláveis funcionam a partir de sensores que são instalados na moto, então, a partir do momento que o piloto começa a cair, perdendo o controle, esses sensores acionam as bolsas que se inflam e evitam a colisão do motociclista ao solo e até com outro veículo, protegendo órgãos vitais como cabeça, peito e coluna.

Veja mais sobre o jaqueta inflável sem fio clicando aqui      www.motocenter.blog.br/sistema-de-airbag-de-jaqueta

Veja o como o cinto inflável irá funcionar:

 

 

Nota
Imagens meramente ilustrativas.
Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade da Hulk Equipamentos Automotivos Ltda ou do criador original do material, estas imagens foram coletadas de diversas fontes públicas, incluindo sites diferentes, considerando a possibilidade de estar em domínio público. Se alguém tiver qualquer objecção à exibição de qualquer imagem ou notícias, deve trazer ao nosso conhecimento através do e-mail (contato). O mesmo será removido imediatamente, após verificação do crédito. Todas as Marcas e nomes pertencem aos seus proprietários. Outros nomes e marcas podem ser de propriedade de outras empresas.
Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas nos nossos sites que tem por objetivo a divulgação de informação, diversão e educação dos interessados. Medidas tomadas pelos usuários são de sua inteira responsabilidade. Reiteramos que orientamos sempre a consultar e seguir as instruções presentes no manual do proprietário do seu veículo.

Como resolver problemas na Homocinética

Como resolver problemas na Homocinética

Seu carro está fazendo barulho cada vez mais alto, ao esterçar (girar) a direção? Melhor então, é levar ao Centro Automotivo para avaliar e corrigir o problema, é provável que esteja com problemas na Homocinética!

Caso tenha ouvido falar, mas, não sabe o que é, junta da homocinética, ou, junta de velocidade constante, é um sistema de peças responsável pela transmissão de força que vai desde os eixos das rodas ao volante, e vice-versa, que torna possível o veículo se movimentar.

É formado com um veio transmissor, esferas de aço, rolamentos, cúpula e veio transmissor como parte do cubo da roda, ou seja, um par de dobradiças arredondadas as quais giram em posições contrárias. Além de ter uma parte interna e externa, separadas por uma esfera, junto da parte externa do semieixo, as quais deslizam permitindo os movimentos em vários ângulos distintos.

Embora este problema possa surgir aos poucos como um forte barulho que começa a ser notado ao esterçar, felizmente não é um problema considerado grave e, nem tão caro para consertar, claro, que tudo depende do preço da mão de obra do mecânico, mesmo assim, o conserto não pode ser adiado, já que está ligado diretamente ao funcionamento das transmissões de força do carro.

Os problemas na Homocinética podem aparecer devido esforço excessivo que o motorista exige do seu carro, como torque demasiado, trancos, ou, arrancadas constantes que podem danificar o conjunto, cuja função principal é a transmissão de força.

Sempre deve fazer uma pergunta na sua mente: quando sei que há problema na junta homocinética  e o que eu devo fazer ? um dos sintomas que pode identificar se o carro está com problemas na Homocinética, é a perda de força mesmo acelerando, além disso, durante manobras é possível ouvir barulhos de atrito metálico seguidos de estalos, os quais indicam que há desgaste na peça, por isso, o mecânico deve apontar que a junta está com folga e precisa ser trocada.

Ao notar que o carro está apresentando alguns dos sintomas mencionados, o mais indicado é procurar um Auto Center de confiança e especializado para sanar o problema, seja na Homocinética, ou, não.

 Para entender melhor, assista o vídeo abaixo

Fonte: Canal Componentes Nakata

Claro, que muita gente tem acessado a internet para ser “seu próprio mecânico”, e no caso de problemas na Homocinética não podia ser diferente, mesmo assim, tudo que o pretensioso mecânico pode fazer é apenas desmontar as juntas, retirar as coifas (rebolos), limpá-las, e renovar a graxa, aliás, isto deve ser feito com certa frequência!

E se mesmo assim, o problema persistir, o melhor a fazer é procurar um mecânico, senão, o carro pode quebrar de repente e o motorista, ainda terá gastos com guincho, aí sim, o prejuízo será bem maior!

 

 

Nota
Imagens meramente ilustrativas.
Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade da Hulk Equipamentos Automotivos Ltda ou do criador original do material, estas imagens foram coletadas de diversas fontes públicas, incluindo sites diferentes, considerando a possibilidade de estar em domínio público. Se alguém tiver qualquer objecção à exibição de qualquer imagem ou notícias, deve trazer ao nosso conhecimento através do e-mail (contato). O mesmo será removido imediatamente, após verificação do crédito. Todas as Marcas e nomes pertencem aos seus proprietários. Outros nomes e marcas podem ser de propriedade de outras empresas.
Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas nos nossos sites que tem por objetivo a divulgação de informação, diversão e educação dos interessados. Medidas tomadas pelos usuários são de sua inteira responsabilidade. Reiteramos que orientamos sempre a consultar e seguir as instruções presentes no manual do proprietário do seu veículo.

Como levar seu Pet na viagem

Como levar seu Pet na viagem

Quem é que não costuma viajar por uns dias, um final de semana, em férias, seja para encontrar amigos, parentes, conhecer novos lugares, e tem que deixar o gato ou cachorro considerados da família, no hotelzinho para animais, ou, pedir aquele “favorzão” para alguém cuidar do bichinho?

Seria bem melhor que ninguém precisasse passar por todo esse estresse, seja o dono do bichinho e o animal.

Foi pensando nesse problema comum que centenas de pessoas enfrentam cada vez que aparece uma viagem, que resolvemos juntar umas dicas de como levar seu Pet na viagem de carro, assim, a felicidade da família vai ser completa e sem preocupações.

Para saber como levar seu Pet na viagem, é simples, basta seguir sempre as mesmas regrinhas que vamos passar para fazer qualquer viagem virar um sucesso! Vamos conferir?

Regra n º 1

Leve seu Pet na viagem, somente se estiver acostumado a passear de carro

Pode parecer bobagem, mas, não é uma boa ideia levar seu Pet na viagem, seja um gato ou cachorro, se não estiver acostumado a fazer passeios, já que certamente ficará agitado, vai miar, latir, pode irritar muito o motorista e os passageiros.

Caso seu Pet se encaixe neste perfil, é bom o quanto antes, começar a passear de carro com ele, assim, terá uma noção de como vai se portar durante horas de estrada.

Regra n º 2

Fale com o veterinário

Essa dica é importante para não causar problemas de saúde em seu Pet durante a viagem, assim, pode evitar gastos desnecessários com veterinários desconhecidos em outras cidades.

Fale ao veterinário sobre a intenção de viajar e levar o Pet junto, assim, faz um check-up geral, o médico pode indicar alguns remédios que ache necessário, até mesmo para evitar enjoos.

Regra n º 3

Alimentação leve no dia da viagem

Tem gente que precisa comer bem antes de viajar, assim como tem outros que preferem comer quase nada, de qualquer forma, a ideia é de não sentir-se mal na viagem e sofrer com enjoos ou vômitos, já que pode acontecer a qualquer um, dependendo das curvas para onde estiver indo!

Nesse caso, o seu Pet deve ser tratado da mesma maneira, com uma alimentação leve, assim, os riscos de enjoo ou vômito podem ser evitados.

É importante levar seus brinquedinhos para que se distraia na viagem, igual as crianças. Não esqueça de levar os pertences que está acostumado, assim, com a carteira de vacinação.

 

Regra nº 4

Períodos de descanso na estrada

Dependendo da distância e do tempo para onde vai, o ideal é parar a cada 2 horas no máximo, se for uma viagem mais curta uma parada a cada 1 hora, assim, como o Pet, todos podem ir ao banheiro, se exercitar, tomar um suco, e estão prontos para continuar o passeio!

Regra nº 5

Use sempre o cinto de segurança, principalmente nos Pets.

 Bom, na hora de transportar seu Pet, dependendo do tamanho do bichinho, é aconselhável que seja transportado numa caixa especial onde terá todo o conforto e ventilação necessário, principalmente os gatos que adoram ficar dentro das casinhas, ou na sua caminha.

Outra opção para levar seu Pet na viagem, é um cinto especial próprio para mantê-lo preso ao banco, mesmo assim, é bom ficar atento as janelas abertas, caso fique solto sobre o banco traseiro.

Existem também a venda, alguns tipos de bolsas, e até cadeirinhas próprias para levar o Pet na viagem, e são parecidas com as cadeirinhas onde devem ser transportadas as crianças.

Já as bolsas têm a aparência igual ao do bebê conforto, e assim, como a cadeirinha, servem apenas para animais de até 10 quilos que devem permanecer presos as cintas para que não se machuquem em caso de freadas bruscas.

Siga essas dicas de como levar seu Pet e Boa Viagem!

 

 

Nota
Imagens meramente ilustrativas.
Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site são propriedade da Hulk Equipamentos Automotivos Ltda ou do criador original do material, estas imagens foram coletadas de diversas fontes públicas, incluindo sites diferentes, considerando a possibilidade de estar em domínio público. Se alguém tiver qualquer objecção à exibição de qualquer imagem ou notícias, deve trazer ao nosso conhecimento através do e-mail (contato). O mesmo será removido imediatamente, após verificação do crédito. Todas as Marcas e nomes pertencem aos seus proprietários. Outros nomes e marcas podem ser de propriedade de outras empresas.
Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas nos nossos sites que tem por objetivo a divulgação de informação, diversão e educação dos interessados. Medidas tomadas pelos usuários são de sua inteira responsabilidade. Reiteramos que orientamos sempre a consultar e seguir as instruções presentes no manual do proprietário do seu veículo.